terça-feira, 15 de março de 2011

Diferença entre metodologia e procedimentos


Em um projeto bem feito o pesquisador necessita estabelecer uma diferença clara entre a definição conceitual do referencial teórico que fundamenta a matriz metodológica que serve de parâmetro para a condução dos estudos e o conjunto de procedimentos utilizados para operacionalizar a execução das diversas etapas da pesquisa. É muito comum se constatar que falta aos projetos a parte de fundamentação porque, como vimos na postagem sobre os riscos de reificação das metodologias, em vez de construir um referencial teórico para o método que vai adotar o pesquisador se satisfaz com a simples enumeração das técnicas que serão empregadas nas diversas etapas do trabalho.
Trata-se de um erro elementar que deve ser evitado a todo custo. Uma das tarefas mais nobres de um projeto é justo a fundamentação e a problematização da matriz metodológica. Se não se concebe a metodologia como um modelo estático e atemporal a que o objeto está obrigado a se encaixar independentemente de suas particularidades e dos objetivos da investigação, cabe ao pesquisador, a partir da crítica da matriz existente, desenvolver uma metodologia apropriada e que possa dar conta das demandas propostas.
Tomada como uma etapa dinâmica que pressupõe a contínua problematização e atualização do referencial teórico adotado, a metodologia representa a possibilidade de uma contribuição original do pesquisador para sua área de estudos. Entendida nestes termos, a metodologia constitui-se ao lado da delimitação do objeto, da definição do problema e da revisão da literatura como as partes essenciais de um bom projeto. Feito o esclarecimento sobre os motivos para que a metodologia seja vista como um convite à discussão, vale um último comentário sobre os procedimentos.
Vulgarmente tratados como as técnicas arroladas para a execução da pesquisa, os procedimentos, muitas vezes, são confundidos com a própria metodologia. Nestes casos, existe a renúncia plena a qualquer problematização da matriz metodológica que ao que tudo indica seja desconhecida pelo pesquisador que se revela alheio a qualquer discussão de natureza epistemológica. Se quisermos elaborar um bom projeto tampouco podemos caracterizar os procedimentos como estáticos e naturalizados, uma vez que a opção por uma ou outra técnica ou mesmo a invenção de determinados procedimentos são decisões tomadas em decorrência da matriz metodológica construída, dos objetivos propostos e das particularidades do objeto.   

Com um abraço,

Elias.

Um comentário:

Lucas Piter disse...

Gostei do artigo. Realmente há uma confusão entre Metodologia e Procedimentos metodológicos. Em meus projetos, geralmente delimito a metodologia com base nas teorias norteadoras e no corpus. O objeto e o objetivo acabam "pedindo" a sua metodologia. Os procedimentos metodológicos, confesso, são um ponto fraco na escrita de minha metodologia. Mas a problematização, creio, fica bem densa. Já vi em muitos projetos que no lugar da metodologia há uma enumeração das etapas de trabalho passo a passo, tudo muito técnico, com pouca fundamentação teórica do procedimento. O que acha?